Routeburn Track em 3 dias

A última trilha programada para a nossa viagem na Nova Zelândia não era mais nas lindas praias do Abel Tasman National Park, ou nas terras desérticas do Tongariro National Park, mas sim nas montanhas da região de Fiordlands, na Ilha Sul do país.

Nessa região havia duas trilhas sobre as quais havia lido e que gostaria de fazer. A primeira, mais famosa, era a Milford Track. Passando ao lado de fiordes, essa trilha de 53,5 km e 4 dias me pareceu incrível. No entanto, por não possuir áreas de camping (somente cabanas), optei pela Routeburn Track, também muito bem cotada entre os trampers (como os neozelandeses chamam os trilheiros).

Para ficarmos nas dois locais de camping, a trilha seria feita em 3 dias, sendo o segundo dia o mais puxado, tanto em distância percorrida quanto em declividade: seriam aproximadamente 13,6 km, vencendo 500 m de subida.

Uma coisa somente não estava prevista nesse planejamento: a chuva.

Prelúdio de um desastre

O primeiro dia foi tranquilo. Havíamos previsto um acampamento no Routeburn Flats, previamente reservado. Do começo da trilha (Routeburn Shelter) até lá, teríamos apenas 2h30min de caminhada em terreno bem plano. Estava chovendo, mas não incomodava. Era como uma garoa forte e, enquanto estávamos no meio da floresta, as árvores nos protegiam.

Depois de algumas pequenas "travessias aquáticas", onde tivemos que tirar os tênis para atravessar pequenos cursos d'água, chegamos ao local do acampamento: uma planície próxima a um rio com lindas vistas para as montanhas e seus vales. Lá armamos a barraca cedo, aproveitando que a chuva havia diminuído um pouco, e ficamos relaxando. Cozinhamos, conversamos com outras pessoas que estavam fazendo a trilha, contamos histórias da viagem até aquele momento e fomos dormir.

Só um detalhe: choveu a noite inteira. Toda. 100%.

Acordamos e esperamos a chuva passar um pouco, mas não parecia que isso aconteceria tão logo. Tomamos nosso café, guardamos a barraca ainda molhada e começamos o longo caminho para o acampamento do Lake Mackenzie, do outro lado das montanhas.

Um dia na chuva

"Como foi o segundo dia de trilha?", você me perguntaria. Em uma palavra: molhado. Em duas: molhado e frio. Se eu pudesse ir adicionando mais palavras, lá pela 15a eu diria "bonito", sendo essa a primeira palavra boa da lista.

O problema foi que não parou de chover um só momento. Choveu tanto que a própria trilha se tornava uma cachoeira. Não, não é exagero.

O problema é que estávamos um tanto despreparados para tanta chuva: não tínhamos um casaco à prova d'água, somente aqueles de penas de ganso (ótimos para um frio seco), e o único saco-estanque que tínhamos servia para guardar nossos documentos. Resultado: nossos casacos não resistiram e nos encharcaram; nossas capas da mochila também não aguentaram, então tudo que estava lá dentro também ficou molhado.

Passamos por paisagens incríveis, mas que foram difíceis de apreciar nessas condições... Mesmo assim tiramos algumas fotos.

Depois de muito, mas muito esforço, e umas 6h30 horas de caminhada contínua, chegamos no camping Lake Mackenzie. A chuva continuava e, cansados e com frio, não tínhamos a menor vontade de acampar com uma barraca ainda molhada.

Nessa hora contou muito a simpatia do povo neozelandês. O ranger, ou guarda florestal, que cuidava daquele acampamento nos deixou pegar duas camas na cabana! Tivemos que pagar a diferença, claro, mas ele poderia muito bem ter negado, já que a gente não tinha uma reserva.

Tentamos nos secar o melhor possível, trocando nossas roupas pelas mais secas que tínhamos e ficando em frente à lareira da cabana. Não temos fotos do lugar, já que estávamos mais concentrados em nos aquecer do que documentar a tragédia, mas fique tranquilo, a lareira não era nada luxuosa! Banquinhos de madeira em volta do fogo, comida daquelas que ficam prontas em 5min e só! Mas para nós, era o paraíso!

Dormimos no seco e nos preparamos para o último dia de trilha. No dia seguinte, a chuva deu um pouco de arrego e fizemos nossos últimos quilômetros em roupas ainda molhadas (afinal, não tínhamos outros casacos).

Chegando de volta em Queenstown, passamos no Fergburger, uma ótima hamburgueria, para comemorar!

Aprendizados

1) Não seja mesquinho e compre um casaco à prova d'água se você for fazer uma trilha na região onde mais chove na Nova Zelândia.

2) Não seja mesquinho e compre sacos-estanques de diversos tamanhos se for fazer uma trilha na região onde mais chove na Nova Zelândia.

3) Não seja mesquinho e reserve lugares em cabanas. Não acampe se for fazer uma trilha na região onde MAIS CHOVE NA NOVA ZELÂNDIA!

P.S.: a única coisa que me consolou foi quando eu soube que na Milford Track, aquela que eu estava cogitando fazer, chove 3 vezes mais que na Routeburn Track...

#NovaZelândia #trilha #RouteburnTrack #IlhaSul #perrengue #Queenstown